A primeira radionovela brasileira faz 80 anos

Sucesso levou Rádio Nacional a investir no gênero

Uma mulher de 18 anos descobre, em uma noite, que foi adotada e é fruto de um relacionamento extraconjugal de seu pai adotivo com a empregada da família. A partir daí, a vida muda por completo e eles enfrentam inúmeras tragédias pessoais. Essa era a trama de Em busca da felicidade, primeira radionovela brasileira veiculada na Rádio Nacional, cuja estreia completa 80 anos neste sábado (5).
A história gira em torno do segredo por trás da adoção de Alice (Isis de Oliveira) pelo rico casal Alfredo Medina (Rodolfo Mayer) e Anita de Montemar (Zezé Fonseca). Carlota (Yara Sales), a empregada e mãe biológica da personagem, alega que não teria condições de criar a menina. Após a revelação de que Alice era filha de Alfredo e Carlota, os personagens enfrentam dramas em busca da felicidade alardeada no título.
Antes de 1941, os ouvintes já ligavam o aparelho para escutar tramas do radioteatro. Mas com Em busca da felicidade, o formato mudou. O texto original do cubano Leandro Blanco foi adaptado por Gilberto Martins e seguia o estilo das soap operas norte-americanas: capítulos estruturados, exibição periódica e veiculação de propaganda. A experiência bem sucedida no rádio começou a pavimentar a paixão do brasileiro pela dramaturgia, consolidada na televisão.
A ideia veio da empresa Colgate, patrocinadora da trama, que originalmente queria apenas comprar o horário da emissora para a transmissão e contratar o diretor Vitor Costa e elenco por conta própria. Mas a Nacional não aceitou e foi decidido que a produção ficaria a cargo da rádio.

Horário matutino

A novela foi transmitida no horário matutino, às 10h30, toda segunda, quarta e sexta, até o ano de 1943. O elenco criticou a faixa escolhida para a exibição da radionovela, por não ser considerado nobre à época. Mas o objetivo era alcançar um público específico: as donas de casa, consumidoras dos produtos da patrocinadora.
Uma campanha promocional, criada para aferir a audiência do programa, mostrou logo o impacto da novela. Os ouvintes enviaram cartas com embalagens dos produtos da patrocinadora para receber, em troca, um álbum com o resumo da história, informações sobre os personagens e fotos dos atores (confira na galeria abaixo). Mas o número de correspondências foi muito acima do esperado e a promoção foi interrompida porque os livretos se esgotaram.

 

Navegue pela galeria de fotos, com imagens originais do álbum da radionovela Em busca da felicidade:

Álbum promocional traz fotos dos atores da radionovela Em busca da felicidade – Acervo EBC/Direitos reservados

Realidade x ficção

Com elenco formado por estrelas como Rodolfo Mayer, Zezé Fonseca, Isis de Oliveira, Floriano Faissal, Yara Sales, Amaral Gurgel, Lourdes Mayer, Saint Clair Lopes, Brandão Filho e Luís Tito, entre outros, a novela mexeu com o imaginário do público.
A ficção se misturava com a realidade. Thiago Guimarães, pesquisador do Acervo da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), conta que os atores eram constantemente confundidos com os personagens. Floriano Faissal, que interpretava o médico Doutor Mendonça, chegou a ser “consultado” por uma ouvinte que sofria com dores no fígado. Já Saint Clair Lopes foi abordado por um homem que achava que era parente de seu personagem.
Com o sucesso de Em Busca da Felicidade, a Rádio Nacional investiu pesado na produção das radionovelas e emplacou inúmeras tramas de sucesso – entre eles, O Direito de Nascer. Rose Esquenazi, jornalista e professora da PUC-Rio, lembra que, durante a transmissão desse clássico, os ouvintes da Nacional chegaram a enviar um enxoval completo para o fictício bebê de uma personagem, que nasceu durante a trama.
As principais radionovelas falavam de amores proibidos e mexiam com temas como infidelidade e preconceito entre classes sociais, entre outros. Tinham títulos que fortaleciam o melodrama. Rose reforça ainda que os ouvintes se identificavam com a história e comparavam a própria vida com a dos personagens, que tinham dramas verossímeis. “Havia uma certa relativização a partir da existência destas personagens”, afirma.
Elenco estrelado e novos autores
Como pelo rádio o público não podia ver os atores, os ouvintes consumiam revistas da época, que mostravam quem eram os artistas. Além disso, a Nacional fazia caravanas pelo país com o elenco, que também estrelava filmes da época. A sede da emissora, na Praça Mauá, recebia fãs que iam ao local só para ver os ídolos.
Estúdio da Rádio Nacional do Rio de Janeiro onde as radionovelas eram gravadas, conhecido como
Estúdio da Rádio Nacional do Rio de Janeiro onde as radionovelas eram gravadas, conhecido como “casinha do radioteatro” – Foto: Acervo EBC/Direitos reservados
Os artistas da Nacional influenciavam o público. O marketing da emissora conseguia lançar produtos novos alinhados com o perfil das estrelas do rádio, que faziam estrondo sucesso. Afinal, as pessoas queriam consumir o mesmo que os atores da época.
A partir da explosão da dramaturgia no rádio, surgiram novos autores que começaram na rádio e depois foram para o teatro e a televisão, como Dias Gomes, Oduvaldo Vianna e Janete Clair.
Certificado Unesco
Infelizmente, não há registro sonoro da radionovela. Na época em que foi ao ar, em plena Segunda Guerra Mundial, o material era gravado em acetatos à base de vidro que, devido à fragilidade, não resistiram ao passar dos anos. Este breve trecho, gravado anos depois em homenagem ao programa pioneiro, simula como seria a abertura da radionovela. O prefixo, narrado por Aurélio de Andrade, locutor da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, era assim: “Senhoras e senhoritas, a Rádio Nacional do Rio de Janeiro apresenta Em busca da felicidade, emocionante novela de Leandro Blanco, anunciando também a parceria da Rádio com a Empresa de Propaganda Standard Ltda., responsável pela conta publicitária da Colgate-Palmolive no Brasil”. Clique na matéria para ouvir:
Mas parte dos roteiros da novela estão conservados: seis dos nove volumes do conjunto são mantidos pelo Acervo da EBC. O trabalho de restauração começou em 2018, quando os roteiros foram tirados do arquivo. Ainda naquele ano, este acervo ganhou o certificado Programa Memória do Mundo da Unesco, reconhecido por reunir documentos relevantes para a memória coletiva. Os cadernos foram restaurados e digitalizados, em um trabalho que durou seis meses, como conta a gerente de Acervo da EBC, Maria Carnevale.
Os originais passaram por higienização, conservação, indexação para, enfim, receberem uma nova encadernação. A cópia digital do material poderá ser fonte de pesquisa e de divulgação da obra, mantendo o material em papel preservado.
Restauração dos roteiros originais da rádionovela Em Busca da Felicidade, da Rádio Nacional
Restauração dos roteiros originais da rádionovela Em Busca da Felicidade, da Rádio Nacional – Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Continuidade do sucesso
Após o boom das radionovelas nos anos 40 e 50, veio a chegada da televisão. Os radioatores migraram para a telinha e o número de novelas radiofônicas foi diminuindo com o passar do tempo. Mas o formato ainda faz sucesso, como conta a jornalista e autora de radionovelas Artemisa Azevedo, que trabalhou durante mais de 40 anos na Rádio Nacional da Amazônia. Na região, a relação dos ouvintes com as histórias narradas pelo rádio manteve-se muito próxima. A emissora recebia inúmeras cartas de pessoas que se identificavam com as tramas.
Autora de muitos sucessos veiculados na emissora, como AmazôniaTurmalina e Passageiros da ilusão, Artemisa percebeu desde o início que histórias com temáticas ligadas ao povo amazônico atraíam mais ouvintes. Assim, as radionovelas se tornaram um meio de informação importante e mudaram também vidas, como relata a jornalista.
Novos caminhos
O acesso à produções ficou mais fácil. As radionovelas ganham outra roupagem e se reinventam em novos formatos, como a audionovela. Uma delas é Atlântida – uma radionovela, do projeto Arte em Cena, do Sesc Rio. É uma adaptação do espetáculo musical Atlântida – O Reino da Chanchada, lançado em 2001, para a linguagem da audionovela. A produção é transmitida em plataformas de streaming.
Ana Velloso, autora e atriz da audionovela, contou que as gravações foram feitas no palco do Teatro Cesgranrio. Para ela, a audionovela é outra forma de consumir cultura e propagar a arte em tempos de pandemia.
Gravação da audionovela Atlântida - uma radio novela - Foto - Acervo Ana Velloso - Direitos Reservados
Gravação da audionovela Atlântida – uma radionovela – Foto: Acervo Ana Velloso/ Direitos Reservados
Com um estilo mais dinâmico, as audionovelas têm capítulos mais curtos que as originais e os episódios são disponibilizados todos ao mesmo tempo, uma tendência das plataformas de conteúdo sob demanda. É a evolução das radionovelas, agora mergulhadas na era digital.  – *com produção de Simone Magalhães e pesquisa do Acervo EBC

 

Redação

Portal Brasil Empresarial: Notícias sobre a economia, o Brasil, empresas e empreendedores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *