Principais erros ao se criar uma logomarca

Quando um empreendedor opta por iniciar o negócio, várias decisões ocupam o dia a dia: quais nichos deve atender, qual o tamanho da equipe, como deve ser o website, etc. Porém, uma das mais delicadas e importantes decisões de todas diz respeito a algo que se refere a identidade: a criação da logomarca.
Em muitas ocasiões ela será o cartão postal do negócio, o símbolo pelo qual clientes assim como outros públicos interessados na empresa se recordarão dela.
Abaixo uma lista dos principais erros a serem evitados ao se criar uma logomarca e da importância de se contratar um profissional qualificado para fazê-lo.
1) FALTA DE ENVOLVIMENTO COM O CLIENTE;
Apesar da natural importância do conhecimento e talento do profissional de Design envolvido no trabalho da concepção da logomarca, é sempre primordial se lembrar de que eles deverão ser canalizados para um projeto específico para um cliente específico. Assim, é vital que reuniões sejam feitas com o intuito de que informações sobre os objetivos do cliente sejam transformados na tão desejada logomarca. Também é importante entender que o mesmo não é profissional da área do Design e, dessa forma, ele deve ser “educado” para entender como o trabalho será feito para se atingir o resultado desejado.
2) AUSÊNCIA DE ANÁLISES SOBRE O MERCADO NO QUAL O CLIENTE ESTÁ INSERIDO;
Antes do início de desenvolvimento da logomarca é importante compreender a “identidade visual” do mercado no qual o cliente atua. Nesse ponto o trabalho já começa a demonstrar sua complexidade e delicadeza. Não se pode negligenciar tal fato sob o risco de se associar uma marca que destoe completamente do padrão, porém é igualmente importante não criar algo que seja igual às marcas já existentes sob o risco de não diferenciar o cliente. Dessa forma é muito importante analisar com cuidado o mercado para entender os detalhes das marcas já estabelecidas a fim de uma criação adequada pra o cliente.
3) PADRÃO CRÔMICO;
As cores têm sua relevância para o conceito que a logomarca deve transmitir. Porém, a combinação entre as mesmas também deve ser observada com o intuito de não gerar conjuntos extravagantes ou que dificultem a visualização da marca ou parte dela, como no caso de sobrepor o amarelo sobre o branco.
4) NEGLIGENCIAR PESQUISAS;
Conforme mencionado no primeiro tópico, a obtenção de informações junto ao cliente é fundamental para um bom trabalho. Assim como também é importante pesquisar sobre tendências, ideias e comportamentos de forma geral. Apesar do trabalho voltar-se para clientes específicos de uma empresa em especial, os primeiros estão inseridos em um contexto que os influencia e a logomarca deve levar tais fatores em consideração.
5) NÃO TESTAR A PRÓPRIA CRIAÇÃO;
É fundamental que se teste a logomarca em formato impresso para que se possa verificar variáveis como escala e cores, as quais podem apresentar diferenças quando apresentadas em meios eletrônicos. Para evitar contratempos e mal entendidos para com o cliente recomenda-se conscientizá-lo sobre esse passo antes da versão final.
6) FALTA DE ORIGINALIDADE;
A explosão das redes sociais e de sites com conteúdo livre possibilitaram a criação de muitos trabalhos como websites, por exemplo. Contudo, hoje existe no cenário do Design a sensação do “muito do mesmo”, exatamente pela facilidade de acesso que se tem quanto a imagens. Por isso a velha e boa criatividade deve se juntar ao trabalho para a produção de uma logomarca original.
7) IGNORAR A IMPORTÂNCIA DA ESCALA:
“Menos é mais” é um dito popular que pode, – e muitas vezes deve -, ser aplicado ao Design. Desenvolver uma logomarca que seja composta de elementos mais simplórios e que a permita ser usada em vários formatos e tamanhos é muito importante. Assim não existe o risco de perda de legibilidade e, acima de tudo, da qualidade.
PROFISSIONALISMO X AMADORISMO:
Como mencionado anteriormente o acesso a vários recursos e informações levou várias pessoas se colocarem como profissionais de Design. Contudo é importante que o empresário ao optar pela contratação verifique o currículo e a experiência do mesmo, para evitar a contratação de empresas ou profissionais de “fundo de quintal”.
Ao optar pela contratação de um profissional do Design Gráfico ao invés de um profissional não qualificado, a empresa contratante terá as seguintes vantagens:
– Entender a importância da comunicação visual;
– Entender e respeitar o orçamento do cliente;
– São funcionais;
– São profissionais de comunicação;
– Economiza tempo e dinheiro;
– Ajuda o cliente a entender sua real necessidade;
– Imprime profissionalismo ao negócio;
– Crie suporte ao cliente;
Com um profissional qualificado e experiente os objetivos de ambas as partes serão atingidos de forma bastante qualitativa e satisfatória.

logomarcas.curitiba.br

Redação

Portal Brasil Empresarial: Notícias sobre a economia, o Brasil, empresas e empreendedores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *