ONU Meio Ambiente propõe modelos econômicos alternativos sustentáveis

Novo manual lançado em Genebra oferece soluções para países que pretendem fazer transição para economia verde; uso de combustíveis fósseis e minerais não-metálicos triplicou desde 1970; extração de recursos é principal causa da perda global de biodiversidade. 

 

A ONU Meio Ambiente lançou esta quinta-feira, em Genebra, o manual “Economia Verde Inclusiva: Políticas e Práticas”, uma visão abrangente dos modelos econômicos alternativos centrados na sustentabilidade ambiental.

A iniciativa é uma parceria com a Fundação Zayed Internacional para o Ambiente e a Universidade Tongji, da China. O objetivo é “ajudar a orientar os esforços de migração para economias verdes inclusivas.”

Necessidade

Uma iniciativa apoiada pela ONU na Ucrânia promove turismo sustentável, desenvolvimento e protege o ambiente , by Pnud Ucrânia/2017

Em nota, a agência da ONU diz que “com o aumento da população e o uso de recursos materiais em níveis sem precedentes, os limites do atual modelo dominante de crescimento econômico se tornaram cada vez mais aparentes.”

A ONU Meio Ambiente destaca a extração de recursos materiais, lembrando que o uso de combustíveis fósseis e minerais não-metálicos triplicou desde 1970, chegando a cerca de 90 bilhões de toneladas em 2019.

Segundo a ONU, todos os anos 19 milhões de pessoas morrem de forma prematura devido a riscos ambientais e uso de recursos naturais. A extração de recursos também é apontada como a principal causa da perda global de biodiversidade.

Na apresentação da pesquisa, o presidente da Fundação Zayed Internacional para o Ambiente, Mohamad Ahmed Bin Fahad, disse que, “desde a Rio + 20, um número crescente de países está caminhando para economias verdes inclusivas.” Fahad espera que “este livro ajude a orientar esses esforços em todo o mundo.”

Economia verde

Para a ONU Meio Ambiente, uma economia verde “é de baixo carbono, eficiente e limpa, mas também inclusiva, baseada na partilha, colaboração, solidariedade, resiliência, oportunidade e interdependência.”

O manual pretende criar uma estrutura para analisar questões inclusivas da economia verde, como o investimento em capital natural e tecnologias limpas, assim como políticas para permitir investimentos.

O coeditor da publicação, Fulai Sheng, disse esperar que o manual seja “um recurso útil para estudantes e outras partes interessadas.”

Por outro lado, o chefe da Seção de Recursos e Mercados da ONU, Steven Stone, afirmou que o livro “oferece uma contribuição importante para a compreensão de como a pobreza, inclusão e questões de emprego devem ser plenamente levadas em consideração para assegurar uma transição justa.”

ONU

 

Redação

Portal Brasil Empresarial: Notícias sobre a economia, o Brasil, empresas e empreendedores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *