O microempreendedor brasileiro aprende a administrar as finanças sozinho

Dados do Banco Central mostram que apenas 24% dos brasileiros aprendem em casa gestão financeira

 

O Banco Central divulgou em maio que apenas 24% dos brasileiros aprendem em casa a administrar suas finanças, isso demonstra que a educação financeira não faz parte da cultura de milhões de brasileiros. Aprender o valor do dinheiro, tomar atitudes embasadas em dados e não no “achismo” e pensar em longo prazo são alguns dos desafios que podem confundir o profissional autônomo caso ele tenha muitas dúvidas sobre como começar a organizar suas finanças.

O Brasil conta com mais de 209 milhões de habitantes, dos quais 16,7% são Microempreendedores Individuais (MEI). De acordo com o Indicador Serasa Experian, a cada 10 segundos surge um novo MEI no país. A modalidade se torna uma alternativa de geração de renda que cria oportunidades e desenvolve negócios diante da lenta recuperação dos postos de trabalho.

Lars Leber, country manager da Intuit, multinacional desenvolvedora de sistemas de gestão financeira, destaca o que o empreendedor ganha com o uso de tecnologia nas finanças. “O QuickBooks, por exemplo, facilita tanto o trabalho dos contadores quanto das empresas. Por ser uma solução moldada para as Pequenas e Médias Empresas (PMEs), dá um suporte que muitas vezes o pequeno empresário não encontra em outro lugar. O que possibilita que ele dedique mais tempo se especializando na sua área para oferecer um serviço cada vez melhor para seus clientes, pois a concorrência no mercado MEI é grande”.

Conforme informações do Portal do Empreendedor, a maioria dos profissionais desta categoria são cabeleireiros, manicures e pedicures, cerca de 67 mil. Trabalhadores da área de vestuário somam 641 mil; obras de alvenaria, 358 mil; promoção de vendas, 210 mil; e alimentação, 219 mil.

Startups e PMEs

O mercado brasileiro está aberto para o surgimento de novas startups. Esse fenômeno ocorre por conta de investidores anjos, além de fundos e empresas que promovem novas ideias emergentes em PMEs, o que chama atenção do mercado para a criação de novas políticas que influem no setor.

A mudança de formato de muitas dessas novas empresas e os ajustes nas burocracias que dão aval para que algumas delas passem a funcionar são características observadas na nova Medida Provisória da Liberdade Econômica, que visa identificar como o mercado reage e quais são os benefícios para a economia com a remoção da exigência de licenças para que os profissionais comecem a operar seus negócios. Isso influi diretamente no Índice de Competitividade Global do Fórum Econômico Mundial, no qual o Brasil ocupa a 72ª posição.

O potencial da tecnologia de gerenciamento financeiro

Com a lenta recuperação da economia brasileira, usar tecnologias como o QuickBooks MEI, que alia funcionalidades de gestão financeira com a geração do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) facilita a rotina do empreendedor. “Não existe uma maneira intrinsicamente errada de gerenciar os negócios, mas com a presença de ferramentas acessíveis, o profissional autônomo consegue cuidar do que realmente importa, deixando que a tecnologia faça o que precisa ser feito de maneira prática”, finaliza Leber.

A Intuit recomenda que o Microempreendedor Individual fique atento ao prazo de entrega da Declaração Anual do Simples Nacional (DASN-Simei), que vai até 31 de maio, para evitar a necessidade de pagar a multa por atraso que é de R$ 50. Caso o empreendedor perca o prazo, ele ainda tem 30 dias para realizar o pagamento e envio de dados com um desconto de 50% na multa.

quickbooks.com.br

 

 

Redação

Portal Brasil Empresarial: Notícias sobre a economia, o Brasil, empresas e empreendedores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *