FAO discute aumento de preocupações com estado dos oceanos e setor pesqueiro

Simpósio Internacional sobre Sustentabilidade Pesqueira avalia condições das pescas em níveis global e regional; pescado é particularmente importante em países com déficit alimentar; pesca comercial foi segunda profissão que mais matou no mundo.
A pesca enfrenta um período decisivo e o mundo precisa de uma nova visão sobre o tema para o setor no século 21. Esta foi a principal mensagem do diretor-geral da Organizaçãi das Naçoes Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, Qu Dongyu, na abertura do Simpósio Internacional sobre Sustentabilidade Pesqueira.
Até a próxima quinta-feira, o evento reúne especialistas do setor pesqueiro para analisar as condições globais e regionais da área e explorar formas de tornar os recursos pesqueiros mais sustentáveis.
Sustentabilidade
Entre os tópicos em discussão estão a pesca em tempos da mudança climática, o uso de novas tecnologias e as possibilidades de melhorar a cadeia de valor.
No evento que iniciou na segunda-feira, Dongyu lembrou que a população mundial deve chegar a quase 10 bilhões em 2050. Nessa situação, somente a terra não será suficiente para alimentar todas as pessoas e será preciso investir na “produção de alimentos aquáticos.”
Oceanos e Rios
No entanto, o chefe da FAO destacou que é preciso fazer isso “sem comprometer a saúde dos oceanos e rios”. Ele acrescentou que ao mesmo tempo, é necessário melhorar “as condições sociais dos que dependem da pesca, geralmente os mais pobres da sociedade.”
De acordo com a agência da ONU, globalmente, mais de uma em cada 10 pessoas depende da pesca para ganhar a vida e alimentar a família.
Preocupação
Mas a condição dos oceanos é motivo de grande preocupação devido à poluição plástica, aos impactos das mudanças climáticas, à degradação do habitat e o excesso de pesca.
A FAO observou que a pesca nas regiões desenvolvidas está se tornando cada vez mais sustentável, com a recuperação de estoques e melhora nas condições dos que trabalham no setor. Por outro lado, a pesca nas regiões em desenvolvimento não está melhorando no mesmo ritmo.
Dongyu alertou que a situação “está criando uma perigosa divisão de sustentabilidade” e que é preciso “reverter essa tendência para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.”
Soluções
O diretor-geral da agência apontou três soluções para tornar a pesca mais sustentável. A primeira, é voltar a investir em programas de sustentabilidade marinha e de água doce.
A segunda envolve o investimento no crescimento sustentável do oceano. Ele citou como exemplo a Iniciativa de Crescimento Azul da FAO, que se baseia no equilíbrio de princípios ecológicos, sociais e econômicos.
Já a terceira solução está relacionada a garantia de que medidas de proteção adequadas sejam combinadas com um gerenciamento eficaz, incluindo uma melhor abordagem do desperdício de alimentos na indústria pesqueira.
ODSs
O enviado especial do secretário-geral para os oceanos, Peter Thomson, disse que é preciso tratar o oceano “com o respeito que merece”. Para ele, dessa forma, os oceanos perdoarão os erros humanos, se reabastecerão e voltarão a ser o “grande provedor de vida no planeta Terra.”
Thomson enfatizou que o prazo de quatro das 10 metas do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 14 termina em 2020. Para controlar a pesca ilegal e garantir o alcance dessas metas, ele fez um apelo para que os países assinem o Acordo relativo às Medidas do Estado do Porto, Psma.
O enviado também pediu aos consumidores que exijam garantias em restaurantes e supermercados de que não recebem mercadorias roubadas quando compram produtos do mar.
Dados sobre a Pesca
  • De acordo com a FAO, enquanto a população humana cresce 1,5% ao ano desde 1960, o consumo de proteína animal cresce 2,5% e do peixe 3%.
  • Em 2017, a pesca forneceu 173 milhões de toneladas de produtos do setor, 153 milhões para consumo humano direto, um aumento de sete vezes em relação a 1950.
  • Os produtos do mar são uma das commodities alimentares mais comercializadas, excedendo o comércio de alimentos de todos os animais terrestres combinados. Em 2017, as exportações de produtos pesqueiros atingiram o recorde de US$ 156 bilhões.
  • O peixe é particularmente importante em países com déficit alimentar. Das 30 principais nações consumidoras do produto, 17 são países com déficit alimentar de baixa renda, principalmente na África, Ásia e Oceania.
  • Cerca de 95% das pessoas que dependem da pesca para sua subsistência vivem na África e na Ásia. A grande maioria são operadores de pequena escala, lutando para ganhar a vida com uma das profissões mais difíceis e perigosas. Em 2019, a pesca comercial foi classificada como a segunda profissão mais mortal do mundo.

ONU

 

Redação

Portal Brasil Empresarial: Notícias sobre a economia, o Brasil, empresas e empreendedores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *