Como definir uma cultura nas startups – e por que isso é importante

A importância de definir uma cultura passa pela forma de orientar como os funcionários se comportam quando você não estará olhando

 

O avanço da tecnologia impulsionou o surgimento dos negócios – que, por sua vez, permitiu que mais pessoas se transformassem em empreendedoras ao desenvolverem seus próprios negócios. As startups, as novas empresas tecnológicas que respiram inovação, formam a base da constante evolução que vivemos atualmente. Para gerir essas companhias, novas metodologias foram pensadas e colocadas em prática, mas uma coisa continua válida: a necessidade de ter uma cultura organizacional que faça sentido a todos os colaboradores. Como proprietário de uma empresa, você realmente precisa ter uma cultura consistente e alinhada aos seus valores.

Cultura é o que seus funcionários fazem quando não pensam em porque exercem aquela determinada tarefa. Também pode ser compreendida como um hábito – e uma vez que esteja arraigado na organização, as pessoas também param de se questionar sobre porque estão fazendo aquilo. Se você não for franco com a cultura que deseja criar desde o início, contratar colaboradores adequadamente e falar sobre isso em todos os momentos, há grandes chances dela simplesmente acontecer sem sua anuência e, uma vez estabelecida, será muito difícil de mudá-la.

A importância de definir uma cultura passa pela forma de orientar como os funcionários se comportam quando você não estará olhando. O gerenciamento rigoroso, contudo, não é a solução para isso – uma startup em que as pessoas não acreditam no que fazem não é sustentável a longo prazo. Eventualmente, os colaboradores podem encontrar uma empresa onde se sintam mais identificados com suas tarefas, o que explica a necessidade constante da cultura estar alinhada aos valores.

A melhor maneira de definir uma cultura é escolher de três a cinco valores em que você realmente acredita – na verdade, “verbos” são melhores do que “valores” por sugerir ação. Outra forma de fazer isso é defini-los em termos de preferências ou escolhas. No Facebook, por exemplo, um dos valores passados aos colaboradores é “mova-se rapidamente” para criar novos serviços e aprender com mais velocidade. O medo de cometer erros faz com que as pessoas se movam mais devagar. Ao estabelecer isso, o Facebook mostra aos seus profissionais que alguns erros são tolerados para se mover rapidamente.

Quando sua startup começa a crescer, o recrutamento de talentos será fundamental. Ter uma cultura definida é fundamental para recrutar bons colaboradores. Além disso, à medida que ela cresce, é importante falar o tempo todo sobre esses valores. Se possui um diretor de RH, alinhe corretamente sobre como recrutar e, principalmente, como valorizar com recompensas aqueles que seguem todos os princípios de sua cultura. Caso contrário, serão apenas pôsteres bonitos pendurados na parede do escritório.

No fim, o ideal é não perder tempo. Se você começar a falar tardiamente sobre cultura em sua empresa, o processo será mais desafiador porque, muito provavelmente, outra cultura já estará acontecendo entre os profissionais. Nesse caso, o trabalho será reconstruí-la para ficar semelhante ao que você espera enquanto dono. Lembre-se, portanto, de envolver todos os funcionários nesse processo. Como fundador, os valores devem refletir sua visão de mundo, sem dúvida, mas é obrigatório ouvir e compreender toda a sua equipe para garantir que todos estejam na mesma sintonia em prol da consolidação de sua startup.

Divulgação

 

 

Redação

Portal Brasil Empresarial: Notícias sobre a economia, o Brasil, empresas e empreendedores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *